15 de fevereiro de 2017

O Retorno do Viking

A grande batalha do viking!

Kara agradeceu aos deuses quando foi desposada por Ash Hringson. Porém, esse destemido guerreiro estava desaparecido havia tanto tempo que a ela restara apenas boas lembranças.
Agora, Kara precisa se casar novamente para garantir o futuro de seu filho. Contudo, no dia da cerimônia, o heroico conquistador retorna e é recebido por suspiros de horror e de surpresa. Afinal, todos acreditavam que Ash morrera… Mas aos olhos repletos de desejo de Kara, ele parece tão lindo e sensual quanto no dia em que partira… E também nada feliz por sua bela esposa estar prestes a entregar-se a outro homem.

Capítulo Um

Início de outono, 793 d.C. — Sand, Raumerike, sudoeste da Noruega
JÁ SE passaram sete anos e Ash Hringson não conseguiria calcular quantos milhares de quilômetros viajara desde a última vez em que pusera os pés em Sand, a capital de Raumerike. Teria sido melhor ir direto para casa em Jaarlshiem, mas ele tinha a obrigação de informar ao rei sobre suas viagens e planos para o futuro.
Ash passou a mão no queixo e sobre uma pequena cicatriz em formato de meia-lua. Já havia participado de mais de trinta batalhas e conflitos menores. Se não fossem as pequenas cicatrizes, seu rosto estaria limpo, mas ele mancava um pouco, um legado de uma batalha três anos antes, que agravou um ferimento que tivera numa masmorra dos germânicos. Ele não era mais o mesmo jovem destemido que deixara a costa do Raumerike, com sede de aventura e a certeza de um futuro glorioso. Para Ash, Raumerike e todo o resto que deixara para trás permanecia o mesmo.
Ele sentiu um aperto no peito causado pela ansiedade do final de uma longa espera. Afinal estava em casa. Em seu país de origem. Com os pés em solo nativo. Ele já não era mais um estrangeiro em outras terras.
Ash esboçou um sorriso amargo. Devia ter feito algo para recuperar um pouco do respeito do pai. Seu destino não seria mais pautado pela vergonha e não teria mais que andar nas sombras. Ele havia se tornado um líder e não um covarde que deixava outros homens para morrer no inferno.
A cidade tinha mudado um pouco durante os últimos sete anos. Havia um ar de prosperidade provocado por algumas mudanças, mas as ruas continuavam no mesmo lugar. 
A  ferraria, onde ele comprara a primeira espada, parecia estar sob a gerência de outra pessoa, e o salão nobre do rei fora reconstruído. O mercado perto do porto estava maior, com um aumento do comércio de tecidos e peles, mas o peixeiro continuava vendendo no canto à direita do mercado, chamando os fregueses para comprar arenque e bacalhau salgado.
Os comerciantes olhavam de lado, empalideciam e viravam o rosto conforme ele se aproximava. Alguns deles corriam para fechar as portas. Por instinto, Ash colocou a mão na empunhadura da espada, mas forçou-se a relaxar.
Será que as pessoas lembravam-se da vergonha que ele causara ao pai e ao país? Ou da morte de irmãos, amigos e primos por causa de sua negligência naquela noite fatídica? Ou aquela seria uma reação típica dos moradores de Raumerike a um estranho?
Ash vestia roupas de um viking, mas seu coração pulsava de amor por Raumerike. Ele jamais se esqueceria de onde viera. Era exatamente por isso que voltara… para fazer as pazes com o pai e dar aos jovens guerreiros de Raumerike a oportunidade de progredir, em vez de morrerem num mar nada amistoso.
Foi preciso conter a vontade de gritar para os curiosos e desconfiados que a vergonha e a covardia não faziam mais parte de sua vida. O jovem, que havia encalhado o navio durante uma tempestade porque estava ansioso demais por riqueza, aprendera a lição. Agora, ele sabia que a vida de um homem era muito mais importante do que ouro e joias preciosas.
Ash continuou de boca fechada, braços estendidos ao longo do corpo enquanto caminhava. Travou o maxilar e virou na direção do salão nobre do rei. Primeiro se apresentaria ao rei, em seguida ao pai e à esposa. Era essa a ordem natural de tudo, agora.
Kara entenderia. Ele se lembrava dessa qualidade dela, apesar de não fazer ideia do tom exato da voz dela ou o louro de seu cabelo. Kara sempre o apoiara, desde que eram crianças. Ela havia colocado uma atadura na asa do falcão dele. A última cena em que estiveram juntos tinha sido quando ela de cabeça erguida, orgulhosa, com uma única lágrima escorrendo de seus olhos, implorou para que ele voltasse como herói.
Ash afastou as memórias de Kara, do mesmo jeito que vinha fazendo havia sete anos. Logo, logo ele se lembraria de mais detalhes. Antes, porém, precisava cumprir sua obrigação com o rei e com o país.
— Ora, ora, agora os fantasmas perambulam entre os vivos? — perguntou uma senhora de uma barraca de panelas de cerâmica. — Justo hoje.
Ash deu um passo em falso e colocou todo o peso do corpo na perna ruim. De todas as pessoas para cumprimentar, tinha de ser aquela mulher. Ele se forçou a se lembrar de cada um dos filhos dela antes de responder. O mais velho morrera numa tempestade, porém o mais novo fora seu companheiro de cativeiro, e o mantivera vivo contando histórias sobre bravura de tempos atrás.
Ash chorara bastante quando o último de seus amigos morreu. Durante um dia e uma noite, ele conviveu naquele buraco com o corpo. Quando um soldado germânico apareceu para ver como estavam, Ash o dominara e fugira através de um escoadouro estreito e fedido. Até o momento, depois de mais de seis anos, ele ainda não conseguia dormir e nem mesmo entrar em algum lugar subterrâneo.
Pela primeira vez naquela viagem amaldiçoada, os deuses estiveram ao seu lado. Depois de sair do escoadouro, ele encontrou um navio viking no porto, alistou-se e começou a vida de mercenário.
— Não sou fantasma, estou vivo, Hildi, mãe de guerreiros e uma pérola entre as mulheres. — Ash falou o nome dos três filhos dela que tinham viajado com ele e que estavam mortos. — Vim fazer uma homenagem a você pelas vidas de seus corajosos filhos. Os três estão jantando com Odin agora. Dê-me sua mão. Sinta que estou aqui mesmo.
Ela o cutucou com o dedo ossudo.
— Bah. Sua fala continua mansa, Ash Hringson. Tomara que desta vez você esteja sendo sincero. Vivo e não afogado. Isto é realmente uma coisa nova.
— Sim, eu sobrevivi, mas as mortes deles serão recompensadas. Dou a minha palavra, Hildi, da mesma forma como prometi a todos aqueles que me seguiram. — Ash fitou Hildi no fundo dos olhos. — Agora seus filhos moram em Valhalla, em vez de compartilhar a escuridão do reino das profundezas de Ran. O que mais você poderia querer?
— Nunca duvidei disso.




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oiiiiii...Não vai sair sem deixar um comentário vai?

Aqui é seu canal compartilhando a leitura...Conte para nós o que achou do último livro que leu ou lendo, livros que está afins de ler, comente o que desejar sobre o blog, os livros, só não vale detonar revisões e sim agradeçam as revisoras.
AVISO IMPORTANTE: Nunca sabemos qdo um ebook vai ser lançado, somente no dia do lançamento no grupo, então nunca temos previsão! bjs
Jenna

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...