Mostrando postagens com marcador Linsay Sands. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Linsay Sands. Mostrar todas as postagens

29 de julho de 2012

A Diabinha E O Highlander

Série Highlanders
Visualizar


Só um homem poderia acender a chama em seu coração… 

Lady Averill Mortagne aprendeu a controlar seu forte temperamento quando era uma menina, mas se seu pai insiste em fazê-la desfilar diante de outro lorde inglês que olhe com desaprovação para seu cabelo ruivo, esquecerá a boa educação e começará a gritar. 
Seus únicos momentos de paz são os que passa com Kade Stewart, o escocês ferido que seu irmão trouxe para sua casa depois das Cruzadas. 
Quem imaginaria que um guerreiro escocês seria o único cavalheiro de verdade?
Lady Averill ajudou a salvar sua vida e, por isso, Kade estava profundamente agradecido. 
Ela é, além disso, incrivelmente bela, mas não poderia submeter uma dama tão doce e amável à árdua vida da esposa de um laird do clã Stewart… Ou poderia? 
Quando ela enfrenta o perigo ao seu lado, Averill demonstra a Kade que seu coração é tão feroz quanto flamejante são seus cabelos… e que sucumbir a tal paixão seria o paraíso. 

Comentário revisora Ana Paula G.: Na minha opinião, o livro mais engraçado desta trilogia. 
É a história de Kade Stewart, irmão da Merry, do segundo livro Domando a noiva, aquele que a Harpia Stewart rezava para que voltasse vivo das Cruzadas. 
A história, em si, é muito engraçada, especialmente as tentativas do pobre de transar com a própria esposa até por que a Averill, em sua ingenuidade, acaba tornando isso impossível com suas ideias mirabolantes do que deve fazer para agradar o marido..haahahah Isso sem contar um assassino que quer matar o novo laird nos momentos mais...inoportunos. 
Excelente história, bem no estilo da Linsay Sands: muita confusão,uma mocinha bem ingênua e um laird muito disposto, mas extremamente atrapalhado! 

Capítulo Um 

—Já disse ao pai que não tivesse muitas ilusões, que não acreditava que o lorde de Montfault estivesse disposto a me aceitar como noiva, mas não me escutou. 
Kade ouviu aquelas palavras enquanto despertava e abria lentamente os olhos. 
Encontrou-se olhando o que deviam ser as mantas estampadas de uma grande cama. 
O material parecia bastante escuro, mas o local também parecia estar às escuras, unicamente iluminado pelo crepitar das chamas da lareira que dançavam por todo o aposento lançando luzes e sombras.
Kade deduziu que devia ser noite, e que estava… em alguma parte. 
Não estava seguro de onde exatamente. Tinha a esperança de que fosse o castelo Stewart, o lar de seu clã na Escócia, mas a mulher que falava tinha um acento inglês bem definido, como Kade notou quando ela continuou. 
—Ai! O Pai simplesmente não vê o que os outros veem quando me olham. 
Aquelas palavras foram ditas com uma combinação de exasperação e tristeza que atraiu seus curiosos olhos até a imprecisa figura sentada junto à cama, uma mulher, sem dúvida. 
Não é que pudesse vê-la suficientemente bem para estar seguro, mas a voz era sem dúvida feminina, suave e com um toque rouco. 
Era tranquilizadora e gostava bastante de escutá-la, o que era algo bom já que parecia que estava falando com ele. Pelo menos, não havia ninguém mais no aposento a quem pudesse dirigir-se. 
—Temo que me vê através dos olhos de um pai e simplesmente não se dá conta de como sou feia e pouco atraente. Suponho que todos os pais acreditam que suas filhas são adoráveis. Isso é bonito, mas às vezes também desejaria que me visse como sou realmente. 
Possivelmente assim não tomaria para si os rechaços. Odeio decepcioná-lo. 
Kade fechou os olhos um momento, esperando que sua visão clareasse o suficiente para ver o rosto da jovem, mas se encontrava tão tranquilo com eles fechados que se sentiu pouco disposto a voltar a abri-los. Decidindo que os deixaria fechados no momento, ficou quieto e simplesmente a escutou falar, deixando que sua voz deslizasse sobre ele como um doce bálsamo. 
—Estava esperando que com você e com meu irmão aqui, o Pai esquecesse seus esforços para me buscar um marido. Cansa-me que me faça desfilar diante dos lairds como um cavalo premiado, especialmente quando todos me acham tão sem graça. Não é que me importe muito os rechaços, mas alguns são um pouco mal educados quando o fazem. Montfault inclusive teve a coragem de dizer aos gritos que não se casaria com o feto do Diabo. 
A jovem soltou um pequeno suspiro, e murmurou: 
—Já basta deste assunto, que sem dúvida é muito triste. 
DOWNLOAD



Série Highlanders
1- O Diabo das Highlands
2– Domando a noiva
3- A Diabinha E O Highlander

6 de maio de 2012

Domando A Noiva

Estava pronta para deixar que seu coração desabrochasse… 


Merry Stewart estava farta! 
Farta de seu pai e irmãos cujos comportamentos fariam ruborizar até a dama mais recatada. 
Farta de seu lar nas Highlands, que teria afundado há muito tempo se não fosse por ela. 
Merry sonhava fugir para os braços de seu prometido, Alexander d’Aumesbery… mesmo que nem sequer o conhecesse. Mas quando, por fim, se encontram Merry se sente desolada, pois parece que ele não é muito melhor que o resto dos homens de sua família. 
Tão bela, tão desavergonhada… No mesmo instante em que vê Merry, Alexander decide fazê-la sua. 
Desesperado para convencê-la de que não é igual aos descarados membros de seu clã, tentará demonstrar que é um cavalheiro de maneiras polidas, embora debaixo de todo esse refinamento bata um coração tão intenso e incontrolável quanto o de Merry. 
E, por fim, quando a vida de Alexander se vê ameaçada, ela perceberá que ele é o marido que esteve esperando… e a paixão que compartilham se transformará em algo impossível de domar. 


Comentário da revisora Ana Paula G.:Aff, tudo eu..huahahah...Brincadeira!! 
Olha, ri a valer com este livrinho. Tinha dias que meu menino perguntava o que eu estava lendo que gargalhava na frente do PC... 
Mas sério...NUNCA li um herói que levasse tanta trombada como esse!! Do começo até a metade do livro, ele cai de cara no chão, leva uma pedrada na cabeça, é atacado, drogado... minha nossa!!!!!! 
Tem trechos hot, aliás, um dos livros da Linsay com mais trechos hot que já li...mas é impossível, logo depois, não começar a rir com as situações absurdas que acontecem com o Alex e a Merry! 
 Sem falar do pequeno Alex (que de pequeno não tem nada!) sempre presente e atuante entre o casal!! Huahaha 
Enfim, como todos os livros desta escritora não tem como não adorar!!! Excelente!!! Divirtam-se! 


Capítulo Um 


 —Deveria fazer com que o ferreiro visse isso. Alexander d’Aumesbery parou de esfregar a mandíbula e deu de ombros. 
 —Não tenho tempo neste momento. Gerhard Abernathy estalou a língua com impaciência. 
 —Esse dente esteve incomodando-o desde que saímos da Tunísia. Deveria ter cuidado disso no instante em que retornamos à Inglaterra e não permitir que continuasse doendo. 
Alex sorriu afetuosamente ao homem mais velho. Gerhard era um dos soldados mais leais e de maior confiança de seu pai. 
Era esse o motivo pelo qual seu progenitor insistiu para que o guerreiro o acompanhasse quando o príncipe solicitou que viajasse com ele à Tunísia para unir-se às Cruzadas. 
Um Gerhard disposto o seguiu com muito prazer, embora frequentemente Alex se perguntava se tinha se arrependido depois. 
Nenhum dos dois imaginou ficar longe por tanto tempo. Realmente, depois de apenas um ano, o príncipe Edward retornou para assumir o trono depois da morte de seu pai. 
Mas tinha pedido a Alex que permanecesse em seu lugar, assim ele e seus homens ficaram para continuar lutando uma batalha perdida. 
Isso custou-lhes dois anos mais de calor, areia e sangue. Durante todo esse tempo, Gerhard foi seu amigo, seu conselheiro e às vezes sua babá, cuidando dele como uma mãe quando era ferido ou tomado pela febre, protegendo-lhe as costas em batalha e oferecendo sua sabedoria quando devia tomar decisões importantes. Alex não acreditava que tivesse conseguido sobreviver sem ele e lamentava que seu pai não estivesse vivo para agradecer por tê-lo obrigado a levar Gerhard com ele. Naquela época, Alex era um jovem arrogante e tinha visto Gerhard, dez anos mais velho, como um ancião. Achava que o homem faria mais lenta sua marcha e que seria um problema. 
Não podia estar mais enganado. Gerhard tinha salvado sua vida mais de uma vez e se transformou em seu amigo. 
—Tive muitas coisas para fazer para me incomodar com este dente —disse Alex imediatamente—.Cuidarei dele quando retornarmos de Donnachaidh. 
—Deveria fazer isso antes de visitar sua irmã e esse tal Diabo com o qual se casou —insistiu Gerhard. 
  DOWNLOAD























Série Highlanders
1- O Diabo das Highlands
2– Domando a noiva
3- The Hellion and the Highlander

6 de junho de 2009

Os MacNachton

Historico Sobrenatural 
"As histórias sobrenaturais escritas em co-parceria por Hannah Howell e Lynsay Sands são o que há de melhor em matéria de romance histórico!"

Parte I 
Pacto de Sangue




Escócia, 1511

Unidos pelo mesmo sangue e pela mesma maldição, Heming MacNachton e Tearlach MacAdie estão agora unidos também pela mesma missão: procurar os inimigos de seu clã, caçadores que os consideram seres sem alma e que pretendem exterminá-los.

Mas tão logo Heming e Tearlach iniciam sua busca, eles são narcotizados, separados e levados como prisioneiros, condenados a viver, noite após noite, com uma sede que somente o mais puro sangue poderá saciar... e uma paixão que somente duas mulheres extraordinárias poderão satisfazer!
Brona Kerr se vê irresistivelmente atraída por Heming, e resolve salvá-lo, garantindo, com isso, o seu próprio futuro e o de seu clã, pois ela está prometida a um homem cruel que fará de tudo para se apoderar dela e do status que ela representa. Agora, Brona precisa percorrer um terreno perigoso para lutar por sua vida... e pelo homem com quem ela conheceu uma paixão nunca antes imaginada...

Norte da Inglaterra, Primavera de 1511

Um pressentimento pareceu gelar o sangue de Heming MacNachton quando desmontou do cavalo em frente à estalagem. Franziu a testa ao ver a tabuleta que pendia, torta, sobre a porta principal. 
O fato de o estabelecimento se chamar A Arvore do Enforcado só fez aumentar sua sensação de desconforto. 

Heming já não considerava a enorme e antiga árvore, a poucos metros de distância, como algo intrigante, por mais que a luz do luar fizesse as folhas novas parecerem banhadas em prata.
Pelo menos não havia mais nenhum corpo pendendo dos galhos grossos e curvos, pensou, entregando as rédeas com uma certa relutância para o rapaz da estrebaria.
— Não gostei daqui—confidenciou para seu primo, Tearlach MacAdie, na medida em que se aproximavam da porta de entrada.
— Não ficaremos por muito tempo — replicou Tearlach.
Heming aquiesceu com um gesto de cabeça, percebendo que o primo também sentia algo de errado no ar. Porém não podiam deixar de procurar informações só porque se sentiam pouco à vontade em um lugar.
Sua gente estava sendo perseguida, e seus perseguidores estavam cada vez mais organizados. A sobrevivência de seu povo dependia do melhor conhecimento possível de seus inimigos.
Mas ao entrarem na estalagem, a inquietação de Heming aumentou. Sentaram-se de costas para a parede, afastados dos demais, mas não foi o suficiente para acalmá-lo. Um grandalhão de olhos frios serviu-lhes cerveja, e, enquanto Tearlach pagava, Heming relanceou um olhar em volta.
A primeira coisa que notou foi que não havia moças servindo as mesas. Isso era estranho, porém sabia que existiam muitas razões para explicar tal fato.
O que não podia ser explicado com facilidade era que ninguém estava prestando muita atenção a ele e ao primo. Dois escoceses usando kilt, o saiote típico, em uma estalagem na fronteira inglesa, deveriam chamar atenção, mas afora alguns poucos olhares rápidos e ocasionais, todos continuavam conversando e rindo.
Sem contar que havia uma nota soando falsa em toda aquela barulheira e alegria, refletiu Heming, enquanto tomava sua cerveja com mais pressa do que prazer.
Foi apenas quando as três pessoas mais elegantes, duas delas demonstrando uma certa curiosidade natural a respeito dos dois escoceses em uma taberna inglesa, se levantou e partiu, que Heming percebeu ter cometido com o primo um sério erro de julgamento.
— A cerveja... — murmurou sem conseguir terminar a frase. Uma sensação estranha começou a invadir seu corpo.
— Envenenada — gaguejou Tearlach, derrubando sua caneca vazia sobre a mesa




Parte II
Pacto de Amor 


Escócia, 1511

Unidos pelo mesmo sangue e pela mesma maldição, Heming MacNachton e Tearlach MacAdie estão agora unidos também pela mesma missão: procurar os inimigos de seu clã, caçadores que os consideram seres sem alma e que pretendem exterminados.
Lucy Blytheswood é uma mulher forte e corajosa, decidida a salvar Tearlach e a empreender com ele uma fuga alucinada. 
O fato de Tearlach ser um vampiro não a assusta tanto quanto a poderosa atração que ele lhe desperta e o intenso desejo que ela sente nos braços daquele homem...

Capítulo Um

Lucy olhou em torno de si, incomodada com o zumbido de excitação que repentinamente tomou conta do ambiente, quando os dois escoceses entraram.
Tudo parecia normal quando Wymon Carbonnel a trouxera junto com o irmão para o interior da hospedaria.
Lucy e o irmão John, haviam passado o dia no vizinho castelo Carbonnel e, ao partirem para a viagem de volta para casa, Wymon insistiu em acompanhá-los até a fronteira das terras entre os dois castelos.
Depois de algumas horas galopando pelos bosques, eles afinal atingiram o limite de Carbonnel, mas Wymon sugeriu que parassem para comer na hospedaria, situada entre as duas propriedades.
Lucy preferiria não parar, pois já estavam no final da tarde e isso atrasaria a volta: Ela gostaria de seguir diretamente para seu castelo e encerrar aquele dia desagradável antes de a noite cair.
O dia havia sido longo demais, talvez por ela ter estado todo o tempo aguardando e temendo o momento em que a proposta de casamento fosse feita. O que mais a preocupava era a reação de Wymon quando ela recusasse.
Todos sabiam que Wymon Carbonnel não primava pela boa educação e gentileza e, mais que isso, seu temperamento o tornava desagradável e hostil quando o contrariavam. Corriam histórias de que muitas vezes fora tremendamente cruel com aqueles que ousaram desafiar sua vontade ou não se renderam aos seus caprichos.
Entretanto, Lucy agora admitia que sua ansiedade fora injustificada. Wymon, lorde do clã Carbonnel, finalmente fizera a proposta pouco antes de partirem do castelo. Entretanto, e contra todas as expectativas, recebeu a instantânea, embora educada, recusa de uma maneira muito melhor do que ela imaginara.
Seu sorriso levemente cínico demonstrou que aquilo não o agradava, mas a naturalidade e cordialidade com que prosseguiu tratando Lucy e John fazia crer que antecipava a rejeição e não se perturbava.
Apesar de não desejar parar para comer, Lucy resolveu fazê-lo em respeito ao fato de Wymon não ter criado problemas até então.
Não havia nada de extraordinário na hospedaria.
O salão estava agitado e o estalajadeiro corria entre as mesas, servindo cerveja e pratos fumegantes que exalavam os ricos aromas de carnes assadas e legumes, preparados à moda camponesa.
Assim que entraram no recinto, contudo, Lucy se sentiu desconfortável ao notar que era a única presença feminina no ambiente, caso não contassem as duas jovens ajudando a servir.
Em breve trouxeram comida e bebida e tudo transcorria sem problemas, até que um criado de Wymon entrou no salão e gesticulou para Carbonnel.
Ainda que tentassem agir com discrição, o incidente não passou despercebido. Por um momento, o ruído de conversa cessou e um pesado silêncio impregnou o salão. Entretanto, não demorou muito para que as conversas se reiniciassem, apesar de que agora o burburinho do salão parecia camuflar a evidente tensão.
Neste momento, dois escoceses entraram no salão. Eles eram altos, fortes, e bastante atraentes.
Os dois cavaleiros escolheram uma mesa num canto e, ao sentar, permaneceram em silêncio, fitando os outros ocupantes do salão como se avaliassem o ambiente e as pessoas presentes.Foi somente quando o estalajadeiro veio atender os recém-chegados que Lucy notou que as criadas ajudantes haviam desaparecido.
Incomodada por ser agora a única mulher no recinto, ela também não gostou da mudança no tom do falatório no salão. Havia algo estranho no ar e aparentemente ela não era a única a sentir tal sensação, pois a maneira preocupada como seu irmão a fitou mostrava que também John pressentia algo.


28 de dezembro de 2008

Rastros do Passado

Irmãos MacNachton


Escócia, 1509

Dois homens unidos por um vinculo mais forte que os laços fraternais, perseguidos por um terrível segredo, condenados a vagar nas sombras da noite, atormentados por uma fome insaciável, vitimas de uma maldição que somente um grande e verdadeiro amor, de uma mulher de sangue puro, poderá enfraquecer...

Bothan MacNachton herdou da mãe a agilidade de um felino, e do pai, a ferocidade de um lobo. 

Sua beleza máscula atrai e seduz naturalmente as mulheres. 
Porém Bothan procura uma mulher especial, com sangue puro e um coração apaixonado. 
Uma mulher que possa amá-lo e libertá-lo do terrível segredo que rege sua vida. 
Ao encontrar Kenna Brodie escondida na floresta, Bothan se encanta com sua beleza. Ameaçada de morte pelo tio, Kenna precisa de ajuda tanto quanto Bothan. Juntos, precisarão unir forças para enfrentar e combater o terrível mal que os persegue!

Capítulo Um

Escócia, 1509, Fins de primavera.
Chuva. Ele odiava a chuva. E chovia tanto na Escócia. Bothan MacNachton resmungou ao perceber que a água da chuva tinha encontrado um modo de penetrar em suas roupas e molhar as suas costas deixando-as ensopadas. 
Já estava acostumado com as tempestades que caiam regularmente naquela época do ano, mesmo assim preferia o tempo mais ameno. Não aquele de sol a pino, mas o meio úmido, meio seco. 
Ele podia responsabilizar sua querida mãe por essa implicância com a chuva. Todos sabem que gatos odeiam tomar banho. 
Não que sua mãe não fosse humana, mas não havia dúvidas de que o clã dos Callan tinha algumas peculiaridades que lembravam a dos gatos. 
Era por causa do sangue de sua mãe que Bothan tivera a chance de sair do mundo sombrio em que o pai dele era obrigado a ficar. 
Mesmo que essas suas escapadas fossem por curtos espaços de tempo, não eram apenas bem-vindas, mas vitais para ele e para outros de seu clã. Viu-se diante de uma descida íngreme. 
Desmontou, segurou firme seu cavalo e foi puxando Moonracer pelas rédeas, olhando por onde pisava. A chuva tinha deixado o caminho cheio de pedregulhos escorregadio e perigoso. 
Uma pisada errada e cavalo e cavaleiro podiam escorregar e quebrarem a perna. Sob tais condições, decidiu que seria melhor ir desmontado. 
Apesar de apreciar uma boa aventura, sir Bothan não gostava de enfrentar riscos inúteis. Era sensato, não um louco.

2- GUERREIRO IMORTAl

Escócia, 1509

Dois homens unidos por um vínculo mais forte que os laços fraternais, perseguidos por um terrível segredo, condenados a vagar nas sombras da noite, atormentados por uma fome insaciável, vítimas de uma maldição que somente um grande e verdadeiro amor, poderá enfraquecer...


Sarra DeCourcey conhece a dor da renegaçao e, com sua força de espírito, está determinada a provar a seu clã que é uma mulher de valor, custe o que custar. 

Nada, porém, poderia prepará-la para se defrontar com aquele homem atraente, cujos desejos ultrapassam a mais impressionante das lendas...
O futuro que Calum MacNachton lhe promete é assombroso,mas à medida que a batalha é declarada e perigosos, segredos do amor são revelados, Sarra precisa escolher entre recuar ou lutar por uma paixão imortal...

Capítulo Um


Foi um grito estridente que tirou Calum MacNachton do sono. Abrindo os olhos, procurou se erguer e praguejou ao bater a sua cabeça no teto de pedra da caverna. Esquecera-se totalmente que tinha escolhido com cuidado um local aconchegante, porém bem acanhado para dormir.

A dor, no entanto, não o deteve e ele rolou nos panos de sua improvisada cama, e levantou-se com o corpo meio arcado.
Saiu da fresta estreita da caverna e endireitou o corpo enquanto procurava colocar seus pensamentos em ordem. O grito viera de fora, mesmo assim ele deu uma olhada em torno para ver se havia algo de estranho à sua volta.
Nada.
O grito que o havia acordado ainda fazia eco na escura caverna, ressoando nas paredes de pedra. Deus meu, era terrível ouvir um som como aquele. Alguém deveria estar sob o mais terrível dos sofrimentos.
Preocupado e ao mesmo tempo curioso, Calum resolveu descobrir o que acontecia lá fora.


Irmãos MacNachton
1- Rastros do passado 
2- Guerreiro Imortal
Série Concluída
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...