Mostrando postagens com marcador Resgatada pelo Guerreiro das Terras Altas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Resgatada pelo Guerreiro das Terras Altas. Mostrar todas as postagens

17 de julho de 2017

Resgatada pelo Guerreiro das Terras Altas

Clã MacKinloch
Celeste de Laurent está determinada a nunca mais viver na pobreza. 

Depois de sacrificar o amor por um casamento seguro, ela agora está a perder tudo como uma viúva. 
Sua única esperança é ter um herdeiro. E que melhor homem para ser o pai de seu filho — e salvá-la de um destino terrível — do que Dougal MacKinloch, o único homem que ela sempre amou?

Capítulo Um

Eiloch, Escócia, 1312
— Ela pretende livrá-la de seu filho, minha senhora — sussurrou sua criada, Síla, ao seu ouvido, olhando para a taça sobre a mesa.
— Não beba de nenhum copo que ela lhe der.
Celeste de Laurent, Lady de Eiloch, manteve seu rosto inexpressivo, embora o perigo fosse real. Agora que seu marido estava morto, seu irmão mais novo, Lionel, tornou-se herdeiro.
Mas só se ela não tivesse um filho.
Sua esposa, Lady Rowena, queria assegurar que nada ameaçasse a herança do marido. O cálice foi provavelmente misturado com ervas para forçá-la a abortar se estivesse grávida.
— Deixe-nos — ordenou Rowena. A criada obedeceu, mas lançou outro olhar de advertência em direção a Celeste.
A taça continha um vinho temperado e Celeste brincou com a taça, seguindo o dedo pela borda de prata. Mas ela deu ouvidos ao aviso de sua empregada e não bebeu.
— Você faria bem em deixar Eiloch — Rowena disse, seu rosto plácido com um sorriso suave. — Casar com outra pessoa e dar a meu marido as terras que lhe pertencem.
— Não tenho nenhum desejo de voltar a casar. Celeste se endireitou no assento, olhando para o vinho escuro. — Eu permanecerei aqui, como é meu direito.
— Por que você ficaria onde não é querida? — Seu olhar centrou-se na cintura de Celeste. — Você pode ter direito a um terço da propriedade de Lord Eiloch, por lei. Mas isso não significa que você deve morar aqui, dentro dessas paredes. — Seu sorriso se tornou ameaçador. — Há outros lugares dentro de nossa propriedade onde você poderia ir.
Outros lugares, menos desejáveis, ela não disse. — Eu posso estar carregando o herdeiro de Edmon — disse Celeste, recusando-se a recuar. — Até que eu tenha certeza, você não tem direitos.
Uma vez que tinha vindo a notícia da morte de Edmon, Rowena e Lionel tinham descido sobre Eiloch como um enxame de gafanhotos. A ameaça de uma gravidez era tudo o que Celeste tinha para defender seu direito de permanecer em sua casa. Suas mãos foram para seu ventre, orando em silêncio para que ela tivesse vivificado com a semente de seu marido. Um filho poderia mantê-la a salvo dos urubus que circulavam — mas ela se preocupava com sua própria segurança.
— Tente ficar aqui, e cuidarei para que sua vida seja uma miséria — advertiu Rowena. — Você não receberá nada de nós e viverá às margens de nossas terras, entre os arrendatários. — Ela se aproximou, seus olhos escuros decididos. — Será como era a sua vida antes de se casar com Edmon, ou você esqueceu?
Celeste fingiu não ter ouvido as ameaças de Rowena. Mas mesmo assim, um arrepio percorreu seu sangue, lembrando-se dos anos de fome e de como ela e sua irmã se haviam amontoado para se aquecerem nas noites de inverno.
Ela agarrou o cálice, como se pudesse absorver força da prata. — Não, eu não esqueci. — Ela escolheu esse casamento para escapar das lembranças.
— Edmon nunca deveria ter se casado com uma mulher como você, você não sabe nada do que significa ser senhora de um castelo.
Ela não negou. Durante seu breve casamento, ela tentou aprender, mas as complexidades de governar as pessoas e administrar os aluguéis a haviam dominado. Edmon não tinha escolha a não ser assumir as responsabilidades por conta própria. Ele deveria ter casado com uma rica herdeira normanda, que teria trazido terra e ouro para seus cofres. Em vez disso, ele a havia escolhido, a filha de um escocês de baixo nascimento.
Edmon a desejara e ela usara descaradamente sua aparência para prendê-lo em matrimônio. Seu casamento tinha sido seu meio de escapar da pobreza de sua infância, uma forma de manter sua irmã segura.
E agora, ela poderia não ter nada.
— Você não carrega nenhuma criança dentro de seu ventre — Rowena previu. — E dentro de uma quinzena, vamos saber a verdade. desaparecido daqui — replicou Celeste. — Porque eu carrego uma criança.
— Você não poderia saber disso. — Rowena se serviu uma taça de vinho. — E quando se provar que você não está grávida, sua irmã vai sair com você.
Celeste não tinha certeza de que Rowena tivesse permissão para forçá-la a sair do castelo, por lei. Mas ela não iria provocar a mulher para tentar.
— Você não gostaria que Melisandre sofresse, não é?
Celeste ficou rígida ante a ameaça. Sua irmãzinha mal tinha mais do que treze anos.
— Ela é apenas uma menina.
— Ela é. E se você insistir em ficar aqui, ela vai aguentar o mesmo destino que você. — A expressão calma de Rowena não revelou nenhum remorso.
Melisandre era a única família que Celeste possuía e não podia permitir que ninguém a ameaçasse. A resolução de ferro endureceu sua espinha dorsal e ela entendeu agora que tudo dependia de ela ter um filho. Uma criança significava santuário, um meio de proteger aqueles que amava. Isso significava mantê-la em casa em Eiloch e se livrar de Lionel e Rowena.
  








Clã MacKinloch
1 – Reclamada por Seu Marido
2 – Esquecida por Seu Marido
2.5- Desejando o Toque do Highlander
3– Voz do Coração - Brumas do Silêncio: traduzido
3.5- Resgatada pelo Guerreiro das Terras Altas 
Série Concluída


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...