3 de março de 2021

Nenhum outro Highlander

Série McKennas

Lady Joan Armstrong Fraser já foi a filha mimada de um lorde. 

Mas o casamento com um bruto a mudou. Quando ele a deixa de lado, ela tem apenas sua inteligência e sua beleza para proteger a si mesma e a seu filho do caos de sua antiga casa. Ela terá que encontrar outro marido - um homem cuja força seja mais do que uma arma contra os fracos. Um homem em quem ela pode confiar... se tal homem respira.
Sir Malcolm McKenna conhece Lady Joan desde a infância, uma princesa mimada tão perigosa quanto adorável. Mas quando ela dá um passo à frente para protegê-lo contra uma falsa acusação, ele descobre um personalidade mais forte do que imaginava – e uma atração que deseja explorar...

Capítulo Um

Terras Altas da Escócia, 1334
— Que cheiro horrível é esse? — Sir Malcolm McKenna torceu o nariz e olhou para sua filha de cinco anos, Lileas, que estava ao seu lado no pátio do castelo de McKenna.
A criança fungou alto, depois se virou para o cão fiel que era seu companheiro constante. — Deve ser o Príncipe. Eu acho que ele precisa de um banho.
Ao ouvir seu nome, o animal levantou os ouvidos e inclinou a cabeça. Malcolm estudou o cachorro grande, mas não viu sujeira no pelo ou nas patas. No entanto, a barra do vestido de sua filha estava escura de sujeira e ele suspeitava que seus sapatos estavam ainda piores. Ela claramente estava nos estábulos, um lugar proibido para ela sem permissão.
Malcolm levantou uma sobrancelha. — Príncipe?
— Sim. — Lileas assentiu com entusiasmo. — A cozinheira o chama de cara feia e suja quando ela o persegue da cozinha. Mas nós o amamos de qualquer maneira não é papai?
A menina sorriu largamente para ele, parecendo tão com a mãe que Malcolm sentiu uma pontada de melancolia. Seu casamento arranjado com Margaret Douglas fora breve e, embora não infeliz, dificilmente era o relacionamento que ele procurava.
Ele queria uma esposa que o desafiasse e o excitasse. Quem tinha opiniões próprias, foi abençoado com uma mente afiada e alto astral. Ele queria a estreita camaradagem de amor e devoção que seus pais compartilhavam. E paixão. Sim, ele queria uma mulher em sua cama que disparasse seu sangue e respondesse seus beijos e carícias com seus próprios e ousados.
Quando se casaram, Margaret tinha sido gentil e tão ansiosa para agradar às vezes que o fazia se sentir culpado por não devolver sua devoção cega. Com o tempo, sua falta de afeto explícito por ela provocou um comportamento quase desesperado que o distanciou ainda mais de sua esposa. Ela tornou-se rápida em chorar e ainda mais rápida em reclamar. Verdade seja dita, ele achou sua esposa exigente e exaustiva. Talvez porque eles se casaram muito jovens. Talvez com o tempo ele tivesse encontrado uma maneira de fazê-la feliz e, por sua vez, aprendesse a dar a Margaret o amor que ela tanto desejava.
Infelizmente, ele nunca saberia ao certo. Margaret morreu de febre repentina quando a filha tinha apenas dois anos de idade. Ele lamentou sua morte com verdadeira emoção, sabendo que devia a sua jovem esposa uma dívida inimaginável de gratidão, pois ela lhe dera o presente mais precioso de todos -um filho.
Não era o filho e o herdeiro que tantos no clã esperavam e rezavam para chegar. Na verdade, muitos acreditavam que Margaret havia falhado em seu dever ao dar à luz uma filha. Mas Malcolm sabia que eles estavam errados. Desde o primeiro momento em que ele segurava o corpo pequeno e contorcido de Lileas nos braços, Malcolm sentiu uma onda de emoção tão forte que enfraqueceu os joelhos. Até hoje, toda vez que ele olhava para o rosto travesso de sua filha, seu coração se enchia de amor.
Ele não conseguia imaginar sua vida sem ela, uma menina travessa que ela era cheia de vida e risadas e, certamente, a criança mais ousada de todas as Terras Altas. Pelo menos é o que os pais dele e a maioria do clã sempre diziam a ele. Ele sabia que a mimava e se entregava a ela mais do que deveria, mas esses primeiros anos de infância despreocupada desapareceram tão rapidamente e ele queria apreciá-los tanto quanto sua filha. Malcolm e Lileas atravessaram o pátio, parando em frente à pesada porta de carvalho que levava ao grande salão. Príncipe seguiu alegremente atrás deles, sua língua grande pendendo para o lado da boca.
— Não, Lileas, o Príncipe não pode entrar no salão com este cheiro —, disse Malcolm. — Sua avó terá ataques.


Série Mckenna
1- O Highlander que me amou
2 - Nenhum outro Highlander




2 de março de 2021

Conquistando um Duque

Série As Irmãs Essex

Lady Maitland, está na deliciosa posição de poder ter um amante. 

Um homem discreto que sabe exatamente quando partir de manhã. Mas Lady Maitland ainda está sob o olhar atento de seu antigo tutor, o selvagem e indomado Rafe, o duque de Holbrook. Ele acredita que ela ainda precisa de um "cão de guarda". Ela ri da ideia de que alguém tão insuportavelmente preguiçoso e dedicado à bebida possa exigir que ela se comporte com decoro.

Capítulo Um 

Agosto de 1817 Castelo de Ardmore, Escócia.
— Eu adoraria ser uma rainha — disse Josephine Essex a duas de suas irmãs mais velhas—. Nesse caso, quando encontrasse um homem adequado, ordenaria que ele se casasse comigo com uma licença especial.
— E o que aconteceria se ele recusasse? — Imogen, também conhecida como Lady Maitland, perguntou.
— Eu separaria sua cabeça de seu corpo — respondeu Josie com dignidade. — Já que os homens mal usam a cabeça — disse Annabel, condessa de Ardmore — você não precisa ameaçar a decapitação, apenas deixe o cavalheiro acreditar que foi ele quem tomou a decisão de se casar. — A jovem estava enrolada na cama de Imogen e parecia mais um monte de cachos bagunçados espiando sob os cobertores.
—Esse é exatamente o tipo de conselho que eu preciso. — Josie abriu um caderno e ajustou o cobertor. — Estou fazendo uma lista das habilidades necessárias para ter sucesso no mercado de casamentos, e já que vocês são casadas, são minhas melhores fontes de informação.
— Eu sou viúva — Imogen se desculpou. — E eu não sei nada sobre o mercado de casamentos. — Ela estava arrumando algumas meias de seda e nem sequer tirou os olhos do toucador.
— É essencial saber dançar — disse Annabel. — Você deveria praticar um pouco mais, Josie. Você pisou no Mayne várias vezes na outra noite.
— Preciso de conselhos melhores do que esse — sugeriu Josie. — Você é a única entre nós que realmente participou da temporada social, e se casou com um homem com um título. Minha apresentação será esse ano, você se lembra, não é? Annabel abriu um olho.
— Só porque você menciona isso o tempo todo. Meu Deus, tenho tanto sono! — Ouvi dizer que o casamento apodrece o cérebro — apontou a irmã com pouca alegria.
— Nesse caso, eu me pergunto por que você está tão interessada no assunto. Josie ignorou aquele comentário inútil. — Para conseguir um marido você precisa mais do que não tropeçar em seus pés enquanto dança a valsa. Quero conhecer os desafios de antemão. Não posso depender da minha beleza, como vocês duas.
— Isso é ridículo. Você é adorável — disse Annabel. — Passei a maior parte de abril em Londres — explicou Imogen—, e vi muitas moças em sua posição, Josie. Parece-me que o principal requisito para uma debutante é um sorriso afetado. Um sorriso bobo e inocente — esclareceu.
— Sorrir com afetação — comentou Josie ao escrever em seu caderno. — E você deve ouvir tudo o que seu pretendente diz como se fosse o próprio Deus falando. Claro, às vezes é difícil se manter acordada.
— Os homens podem ser muito chatos— concordou Annabel. — Eles têm uma grande preferência em falar sobre si mesmos. Você tem que aprender a ser tolerante, a tolerância não faz parte de suas melhores qualidades, Josie.
— Até esse momento, você não mostrou nenhuma habilidade em suportar os tolos com prazer — disse Imogen. — No entanto, são os tolos que têm os bolsos mais fundos. É um fato comprovado que a falta de cérebro e uma grande herança andam lado a lado.
Josie estava escrevendo firmemente em seu caderno, mas olhou para cima quando ouviu isso. — Então, devo sorrir afetadamente para o tolo quando ele fala de si mesmo? Digamos que o tédio é a chave para conseguir uma esposa. — Acredito que Imogen exagera a importância de um sorriso afetado— disse Annabel. — Há momentos durante o namoro que podem ser bastante interessantes.



Série As Irmãs Essex
1- Tudo por Você
3- Conquistando um Duque

PARCERIA LRTH+MILADY

27 de fevereiro de 2021

Série Segunda Chance

1- Depois do Acordo


 

Evy não esperava casar-se aos dezessete anos com um completo estranho. 

Mesmo que esse estranho fosse maravilhoso. Ainda assim estava aberta para viver aquela aventura. No entanto, o destino reservava experiências bem diferentes das que ela imaginava.
Lorde Davi Howard, visconde de Andover tinha uma lista de coisas que gostaria de fazer durante sua vida adulta, com certeza o casamento não estava entre elas. Mas seu enlace com a jovem Evellyn Turner foi parar no topo da lista, contra sua vontade. Entre erros e acertos teriam que descobrir o caminho para satisfazer suas ambições pessoais de modo que não fechassem as portas para o coração do outro, porque aconteça o que acontecer, eles serão para sempre os viscondes de Andover.

Baixe aqui

Nova autora brasileira, prestigie lendo e opinando.

26 de fevereiro de 2021

Eu não posso ficar longe de você

Série Época
Lady Dominique Gallagher é apresentada à sociedade com uma aparência totalmente ridícula, tornando-a alvo de fofocas. 

Embora as críticas que mais a incomodassem, foram certamente as que o conde de Bellinghan fez sobre ela. Era incompreensível que eles ainda não conseguissem se separar um do outro. 

 

 

Capítulo Um

Lady Dominique Gallagher desceu as escadas para sua nova casa e viu sua tia esperando por ela no corredor enquanto ela colocava o xale sobre os ombros.
— Nossa, você está aqui —, disse a prima, saindo da sala com o leque de madrepérola na mão. Ela a olhou de cima a baixo com seus lindos olhos verdes e estremeceu com o resultado.
Domi sabia o que ela estava olhando. O vestido de sua prima ficava horrível nela. Mas logo após seu luto por seus pais e a pressa de seu tio mandá-la para ir morar com sua irmã, ela não teve tempo de fazer um novo guarda-roupa. Além disso, não tinha um centavo e por nada no mundo pediria a sua tia, que já havia feito o suficiente para acolhê-la.
Sua tia acenou com a mão para ela se virar. O vestido de festa branco era de duas temporadas atrás, quando sua prima apareceu na sociedade. O corpete era muito justo e a saia muito curta. Sem falar que as mangas estavam apertadas em volta dos ombros, puxando alguma dobrinhas que ela não tinha. Era como se uma adulta tivesse vestido um vestido de menina. Era totalmente ridículo. Além disso, a empregada não tinha ideia do que estava fazendo e seu penteado era infantil demais, com cachos no cabelo preto no alto da cabeça, que a faziam parecer uma boneca de porcelana.
— Você está linda —, disse sua tia, surpreendendo-a.
— Mãe, coloque seu monóculo! — Sua filha disse com raiva. — Não pode ir assim. As meias estão visíveis!
— Você tem que vir! Todo mundo quer conhecê-la —, disse a tia, colocando o monóculo antes que seus olhos se arregalassem e caíssem. Ela limpou a garganta e disse:
— Se você se sentar, não vai mostrar. E quando entrarmos haverá tantas pessoas que ninguém vai notar. Dominique corou levemente e seus olhos verdes brilharam de irritação. Mas ela queria tanto sair de casa que olhou para a prima com um encolher de ombros. — Está tudo bem, Elisa.
— O que não está acontecendo? — Nervosa, ela apertou as mãos sem saber o que fazer. — Se ao menos tivéssemos mais tempo. É horrível que o tio Clayton não tenha pensado nas roupas e você não pode usar preto. É quase sua festa de apresentação.
— Ela tem vinte anos, — sua tia disse casualmente, colocando seus cachos negros sobre o ombro de seu vestido de noite vermelho rubi impecável. — Todos vão perceber que você acabou de passar pelo luto e vão entender.
Dominique olhou para a prima, que estava linda em um vestido amarelo muito claro com renda branca. Ela usava o anel de noivado na mão esquerda. Uma peça primorosa, que deslumbrou os olhos pelo tamanho da pedra. Sua prima teve sorte e se casaria com o marquês de Willough em três meses. Mas não foi surpresa porque ela era linda e muito engraçada. Mas, acima de tudo, era uma boa pessoa. — Não se preocupe mais, Elisa. Vamos nos divertir.
— Mas é que…




Série Época
1- Elizabeth Bilford
2-A Mimada da Rainha
3- Condenada por seu amor
4- em revisão
5- Juramento de Amor
6- em revisão
7- Eu não posso ficar longe de você 

(esta série é independente- podem ler fora de ordem)

17 de fevereiro de 2021

O Campbell Sombrio

Série Campbell

Murdo Campbell é um guerreiro implacável.

Um grande estrategista e um excelente rastreador, não teme nada, nem ninguém.
Seu sentido de dever dita as suas ações e sua honra o obriga a ser leal aos seus, acima de tudo.
Apenas fala e nunca sorri. Ganhou a punho o apelido de Campbell Sombrio.
Sua estrita existência será abalada com a chegada de Keavy, a jovem e decidida esposa de seu único amigo, que está disposta a introduzir um pouco de alegria em sua vida. Quando seu caminho cruza com o de uma mulher que deveria entregar as autoridades, seu mundo será golpeado novamente pelo caos. Poderá ignorar os sentimentos que ela lhe provoca e fazer o que deve ou deixar que seu coração decida, como Keavy pede que o faça?

Capítulo Um

Keavy estava desfrutando de um banho no lago. Desde que os gêmeos haviam nascido, há pouco mais de um ano, eram poucas as ocasiões em que podia ficar sozinha.
Embora soubesse perfeitamente que não estava completamente sozinha. Murdo estaria por perto, vigiando para que nada acontecesse. Há dois anos, desde que Robert MacGregor tentou sequestrá-la e matá-la para vingar-se por tê-lo apunhalado, Murdo a protegia com zelo sempre que seu esposo estava longe.
Nesse momento, Domnall estava no castelo com seus filhos. Ela gostaria de ter a companhia de seu marido no lago, mas sabia que ele não se afastaria dos gêmeos por muito tempo quando ela não estava por perto. Adorava que os protegesse, mas havia chegado a um ponto que parecia muito exagerado. Quando os gêmeos completaram um ano, haviam começado a caminhar e Domnall decidiu cobrir as paredes do quarto com colchões para evitar que se machucassem. Acabou não tendo muita serventia porque seus filhos foram caindo e batendo em cada um dos cômodos do castelo. Eram crianças muito inquietas, para desespero de seu pai. Decidiu que logo teria que falar seriamente com Domnall a respeito.
Saiu do lago e se cobriu com o suave tecido que havia levado para se secar. Ouviu um ruído no bosque e sorriu. Com certeza Murdo não andava longe.
— O que Domnall pensará ao saber que está espiando sua esposa tomar banho no lago, Murdo? Devia ser mais discreto. — Brincou. Não obteve resposta. Não que esperava uma. Há dois anos havia perseguido o amigo de seu esposo durante dias para fazê-lo sorrir pelo menos uma vez. Ao final, não conseguiu apenas isso, como também sua amizade. Ainda seguia sendo um homem de poucas palavras. Estavam trabalhando nele, claro, para desgosto do homem grande. Mas ambos sabiam que ela não se daria por vencida. Era questão de tempo para ele sucumbir uma vez mais às suas exigências. Enquanto se vestia, ouviu outro ruído, desta vez mais perto. Olhou instintivamente para o arco que havia levado com ela. Seu esposo e Murdo haviam insistido para que aprendesse a usá-lo e ela agradecia, pois agora se sentia mais segura. Inclusive, Murdo havia chegado mais longe e a estava ensinando o uso das demais armas e a luta corpo a corpo.
—Não tem graça Murdo. — Disse alto. — Bom, vindo de você pode até ter um pouco. Mas será melhor que pare já. Saia para onde eu possa te ver. O silêncio foi a resposta que obteve. Foi até seu arco e o tomou nas mãos sem deixar de olhar o bosque. Já não estava tão segura de que fosse Murdo. Uma figura cambaleante emergiu do bosque e Keavy correu até ela enquanto descobria que se tratava de uma mulher. Uma mulher ferida, a julgar pelo sangue em seu vestido.
— Murdo! — Gritou pedindo auxílio.
Chegou a ela no mesmo momento em que caía. Apenas conseguindo evitar o baque contra o solo. Ajoelhou-se com ela nos braços e a colocou com cuidado no chão.
— Murdo!

 

Série Campbell
01- Engano nas Highlands
02- O Campbell Sombrio 

16 de fevereiro de 2021

Para sempre na Eternidade

Trilogia Wyckerley

Connor Pendarvis tem um passado amargo e uma ambição - e expôr as duras condições de trabalho na mina de cobre da Srta. Sophie Deene é apenas o começo. 

Sophie Deene é filha de seu pai - orgulhosa, ferozmente independente ... e afeita às convenções. Ela poderia contratar um homem da Cornualha bonito e insolente para trabalhar na mina, mas não se apaixonaria por ele. Impossível, impensável.
O que as pessoas diriam? Mas ela engole seu orgulho por amor,
desafiando a todos, nunca pensando que Connor poderia traí-la. E ele arrisca tudo o que ele pensou que queria por um amor que vai durar .

Capítulo Um

O relógio da torre na Igreja de Todos os Santos atingiu o quarto de hora com um estrondo. Connor Pendarvis, que estava encostado no parapeito de uma ponte olhando para o rio Wyck, endireitou-se impaciente. Jack estava atrasado. Outra vez. Ele já deveria estar acostumado a isso - e estava, mas isso não deixou o atraso habitual do irmão menos irritante.
Pelo menos não teve que esperar por Jack na chuva. No típico estilo de South Devon, a tarde passara de cinza a clara em questão de minutos, e agora o brilho do sol na forte correnteza do pequeno rio era ofuscante. Era junho, e o ar puro cheirava a madressilva. Os pássaros cantavam, as abelhas zumbiam, as íris em aglomerados amarelos brilhantes floresciam ao longo da margem do rio. As casas de campo que ladeavam a High Street ostentavam novas camadas de tinta em tons pastel caprichosos, e cada jardim era uma profusão de flores de verão.
O relatório da Sociedade Rhadamanthus sobre Wyckerley dizia que se tratava de um vilarejo pequeno e comum em uma paróquia pobre, mas Connor discordava. Ele achava que os autores do relatório deviam ter uma ideia estranha do que significava pobreza, ou nunca haviam estado em Trewythiel, a vila na Cornualha onde ele cresceu. Wyckerley era hospitaleiro, bonito e limpo - o oposto de Trewythiel em todos os sentidos. Connor nascera lá, e um por um, vira sua família morrer. Antes dos vinte anos, havia enterrado todos eles.
Todos, exceto Jack. E lá vinha ele, balançando um pouco. Mesmo daqui, Connor podia ver o brilho revelador em seus olhos; isso significava que ele acabara de beber uma, ou duas ou três na primeira e única cervejaria de Wyckerley, a George and Dragon. Mas sua magreza e a concavidade cinzenta de suas bochechas sufocaram qualquer coisa reprovadora que Connor pudesse ter dito; em vez disso, sentiu aquele aperto de dor no peito que o dominava em momentos singulares. Jack ainda não tinha trinta anos, mas parecia pelo menos dez anos mais velho. O médico em Redruth dissera que sua doença estava sob controle, então se preocupar com ele não fazia sentido. Connor dizia isso a si mesmo todos os dias, mas não adiantava. O medo pelo irmão era tão sombrio e constante como a sua própria sombra.
—Não fique olhando para mim — ordenou Jack a seis metros de distância. — Trouxe sua maldita carta e há dinheiro dentro dela, posso dizer. O que me torna o portador de boas novas. — Tirando um envelope do bolso do casaco desalinhado, ele o entregou com um floreio. — Agora, onde está meu agradecimento?
—Eu diria que você já bebeu. —Mas ele disse isso com um sorriso, porque Jack podia fazer uma rosa vermelha ruborizar com seu charme - e porque ele estava certo sobre o envelope; tinha um peso bom e sólido que dizia que os garotos Pendarvis não passariam fome esta noite em Wyckerley.
—Abra lá, Con. Embaixo das árvores. É mais fresco.
—Você está cansado, Jack?
—Não. O que eu estou é quente.
Connor não disse mais nada, e eles caminharam em direção a um arvoredo de carvalhos na beira da área verde do vilarejo, em frente à antiga igreja normanda. Mas o sol da tarde estava morno, não quente, e ele sabia que era o apoio do banco de ferro sob os carvalhos que Jack queria, não a sombra fresca.
—O George é um lugar muito agradável — observou ele, enquanto caminhavam.
—É, agora.
—Oh, de fato. A cerveja é boa, e há uma garota que a serve, chamada Rose. Eu acho que ela gosta de mim.
Connor revirou os olhos. —Jack, estamos na cidade há duas horas. Você não pode ter feito uma conquista já.
—Não posso? —Ele deu um sorriso malicioso. Apenas um ano atrás, o branco de seus dentes teria iluminado seu rosto corado e saudável, e o brilho em seus olhos poderia ter comprometido uma freira. Agora a pele se esticava sobre os ossos de sua mandíbula, e seu sorriso parecia esquelético. Cadavérico. — Ela gosta de mim, como não. Eu disse que voltaria hoje à noite com meu irmão mais novo, e ela poderia escolher entre nós.
—Hah.
—Hah! Oh, é um bom lugar, mesmo para você, vossa senhoria. As canecas estão limpas e ninguém cospe no chão. Eu direi aos homens que devem cuidar de sua linguagem grosseira, pois há um advogado entre eles.
Connor bufou. Uma vez, ele sonhara em se tornar advogado, mas seus sonhos morreram há muito tempo. Ele ria quando Jack o chamava de —vossa senhoria— ou —meritíssimo— como uma piada, mas sob a pose descuidada havia um arrependimento tão profundo que ele parou de pensar nisso.
Sob as árvores, a luz do sol brincava na grama em padrões manchados, mudando com a brisa. Connor esticou as pernas compridas, observando Jack fazer o mesmo. Jack era mais alto, mais velho e, até ficar doente, muito mais forte. Quando eles eram meninos, ele sempre fora o líder, o protetor. Agora seus papéis haviam se invertido e os dois odiavam isso. Não podia falar disso. Irônico que, nos últimos meses, eles tenham até mudado de nome.
—Então —disse Jack, estendendo os braços pela parte de trás do banco —quanto os Rhads despenderam dessa vez?
O envelope simples não tinha endereço de remetente. Connor o abriu e folheou as notas dentro da carta dobrada de uma página. — O suficiente para cobrir a nota de depósito que acabei de assinar para nosso novo alojamento.
—Bem, isso é um alívio para você, doutor. Agora você não será preso por declarações falsas de deturpação fiduciária de sua reputação pessoal. — Jack riu de sua própria piada; ele nunca se cansava de inventar nomes para leis e estatutos, quanto mais idiota soassem, melhor.  Connor disse: — Tive de pagar ao agente pelo aluguel de seis meses. Quarenta e seis xelins. — Não era o dinheiro de Connor, mas ainda parecia um desperdício, já que ficariam em Wyckerley no máximo por dois meses.
—Como é o novo lugar, então?



Trilogia Wyckerley
1 - Lealdades Enfrentadas
2 - A Mulher Cativa
3 -Para sempre na Eternidade
Concluída

PARCERIA LRTH+PRT

9 de fevereiro de 2021

Como treinar seu cavaleiro


Ano de Nosso Senhor, 1276.

Nas horas que antecedem o amanhecer, maldições e blasfêmias ecoam por toda a mansão de pedra. Uma faca faz barulho no chão e uma jovem viúva é amarrada, vendada e conduzida ao altar do casamento. O rei não poderia ter sancionado essa farsa de um casamento, poderia? Afinal, ela transformou algumas cabanas de barro e servos famintos em uma cidade próspera, sem nunca hesitar em pagar impostos generosos ao seu reino real. Abandonar seu amado povo para ser governado por seu novo marido, um cavaleiro templário ignorante? Nunca! Lady Ann prometeu. Uma bruxa assassina para uma esposa? A Fera de Thornhill encontra-se no meio de uma piada cruel ou uma conspiração do mal. Depois de voltar das guerras santas, aceitou receber uma pequena parcela de terra em troca de salvar a vida do rei Eduardo. Mas a recompensa vem com um aviso sobre a amante da propriedade. Apesar de sua atração insaciável pela beleza de cabelos negros, permitiu que ela tivesse tempo para se aquecer com ele enquanto observava seus modos estranhos e visionários. Mas quando tudo estiver em jogo, ele ficará ao lado dela durante a inquisição ou os dois irão se agarrar aos segredos dela?

Capítulo Um

Ano de nosso Senhor 1276
- Por Deus, arraste-a até aqui! Nua, se for preciso! Pão e água de agora até a eternidade, se você não puder! Sir Marcus Blackwell bateu com o punho na mesa gasta e o som ecoou em todas as direções. De toda a má sorte. Forçado a casar-se com uma viúva assassina e de boca suja.
Cerrou os dentes quando o próximo ataque de gritos e maldições agudos explodiu do andar de cima. Caiu, batendo e batendo seguiu. Ele se encolheu quando os gritos estridentes de Lady Ann soaram em toda a
mansão de pedra e, provavelmente, no pátio.
- Ele não pode roubar minhas terras tão facilmente. Viverá tempo suficiente para lamentar este dia. Nunca entregarei meu povo a uma fera sedenta de sangue e sedenta de ouro. Eu prefiro ser amaldiçoada ao inferno. Não, na verdade, eu prefiro me casar com o próprio diabo do que me ver casada com ele.
Fera? Estrangulou o menestrel que pegou o apelido de sua espada e o batizou. Era um santo cruzado, merecedor de respeito, não um animal.
Benzendo-se enquanto contava até dez, percorreu o corredor iluminado por apenas uma tocha fraca. Sombras dançavam sobre tapeçarias escuras, da lareira do tamanho de dois cavalos, e sobre mesas suficientes para alimentar um pequeno exército. O piso rangia sob suas botas, liberando um perfume de lavanda e grama. Parou para uma pausa de silêncio abençoado.
- Em que criação de Deus eu pisei?
Quando o caos começou novamente, foi seu primeiro em comando, Thomas D'Agostine que falou.
- Cuidado. Faca!
Como treinar seu cavaleiro - Stella Marie Alden
Um punhal caiu sobre a pedra com um barulho metálico.
- Condenação.
- A cadela me pegou.
Com a batida de uma mão contra a pele, um grito de dor feminina, a batalha parou momentaneamente.
- Basta!
O comando do rei seria obedecido. Certamente, ela teria que entender isso. Parou ao pé da enorme escadaria de pedra e esperou que os ecos trovejantes parassem antes de continuar em um volume menor. Vislumbrando a criatura vil, estremeceu. Era tarde demais para recuar agora. Sabia que a terra e a cama da velha bruxa faziam parte da barganha.
- Eu disse, não faça mal. Amordace, amarre e vende a mulher se precisar. Pelo amor de Deus, ela é só uma mulher.
- Com licença senhor? Eu sou...
Marcus virou, olhou para os primeiros raios do sol nascente e apertou o punho bem gasto de sua espada.
- Irmão John?
Ele soltou sua arma e abriu ambos os braços em saudação.
- Perdoe-me, é um velho hábito. Entre. Entre.
A figura solitária no arco da porta ficou imóvel com as duas mãos ao alto enquanto as grandes mangas o engoliam inteiro. Todos os seus novos súditos estavam loucos?
- Eu disse que você pode baixar seus braços e entrar. É um pedido bem simples. Eu já expliquei para o irmão mais velho que eu não quero machucá-lo.
O menino, provavelmente de uns dez anos, colocou outro pé na sala.
- Agora, abaixe os braços.
Ele tentou sorrir, mas a tarefa era esquiva.


Série Os McClains

2 - Robert


Matilda é filha de um camponês e vai trabalhar no Castelo Lain, longe de seus pais pela primeira vez em sua vida, com as advertências de sua mãe para ficar longe dos homens do castelo ainda soando em seus ouvidos. Ela vem a conhece o filho dos senhores do castelo, ele deixa claro para ela que está muito interessado nela. Com medo de confiar nele, ela segue suas ordens e se vê noiva dele dentro de uma semana.
Robert Lain sempre soube que um dia conheceria a mulher certa para ele e juntos eles criariam sete filhos. Quando ele vê Matilda limpando a sua casa, sabe que ela é a mulher que ele esperou a vida inteira. Ele será capaz de convencê-la de que seus sentimentos por ela são mais que luxúria? Ou terão os filhos sem nunca sentir a proximidade que os pais desfrutam?


1 – Alexander

Madelina é a filha mais nova de um conquistador normando e uma mulher de poder sobrenatural. Seu próprio poder é insignificante, o suficiente para que ela treine para ser uma curandeira sob a tutela de sua mãe.
Quando uma criança é levada ao castelo onde mora, ela sabe que não tem as habilidades necessárias para curá-la, e os poderes de sua mãe e os dela precisarão ser revelados a um belo cavaleiro. Alexander Lain é o sétimo filho de um sétimo filho e, como tal, tem a sorte ao seu lado em tudo o que faz. Quando ele encontra uma criança camponesa queimando em febre, seus pais foram queimados em um casebre próximo, ele levou a criança, na esperança de encontrar alguém que possa curá-la. Ele rumou para o castelo de Lady Lina e levou a criança, achando conveniente que sua missão o levasse ao mesmo lugar. O que ele vê em sua primeira hora no castelo o surpreende, mas isso não o impede de sentir uma atração pela jovem. Ele será capaz de convencê-la e a seu pai que ela deve ser sua noiva? Ou sua sorte finalmente acabará?
 

Série Os McClains
1- Alexandre
2- Robert

 

Série Saga Rosas Brancas

4- Entre as sombras

O coração está além dos olhos.
Lady Onella Lloyd vive um calvário constante desde que a vida lhe arrebatou a luz, sua única esperança é o doutor Brian Lowel, mas por circunstâncias da vida se separam na América.
Ao morrer seu pai Ella fica desamparada e à mercê da malvada e interesseira lady Carlotta Lloyd, que a maltrata e logo a entrega a uns homens que a levam até Londres para vendê-la como uma exótica beleza cega. Sua mãe e o novo
conde de Wessex a procuram até conseguir resgatá-la. Meses depois desejam inseri-la em sociedade, onde coincide com Brian Lowel, que está procurando esposa. Mas o coração de Onella já está comprometido com outro...Poderá Brian conquistar seu amor de novo?

3- Amor e dor 

Amar de novo superando o passado e os medos do presente. Bradley Waldow, marquês de Blanford, ainda sente falta de sua amada lady Anne Woods, que faleceu por causa de uma estranha enfermidade e o deixou mergulhado em uma profunda tristeza. Anos depois, ao ver a felicidade de seu irmão gêmeo, decide voltar a começar. É então quando a formosa, não muito tímida e misteriosa lady Imogen Woods, a irmã mais nova de lady Anne, vendo-o como seu protetor, pede-lhe que a proteja de um infeliz destino. Sem dar muita importância à enigmática dama, e ante sua insistência, termina convertendo-se em seu salvador… e seu grande amor. Ambos terão que enfrentar situações muito complicadas até descobrir o causador de todas as tribulações da família Woods… alguém muito mais próximo a eles do que imaginam.

2 - Beleza e Vingança 

Primeiro a vingança, o amor pode esperar... Lady Emma McBean, irmã do duque de Lancaster, teria sido uma jovem promessa e uma beldade em sua futura estreia, mas um acontecimento muda sua personalidade segura e jovial e a converte em uma jovem tímida e reservada, de má aparência, cuja maior habilidade é o cinismo e a prepotência com quem a rodeia. A única pessoa que realmente conhece seus medos e para quem não lhe importa absolutamente sua aparência é lorde Brandon Waldow, que está apaixonado por ela há anos, desde quando a salvou de uma desgraça. Emma se vê envolvida em um compromisso acordado desde seu nascimento com o jovem e amalucado lorde Clark Mottengarden, conde de Duddley, o qual ao conhecê-la rejeita a ideia do matrimônio porque a considera feia e rompe o acordo após humilhá-la e feri-la profundamente. Poderá Emma abrir-se de novo ao amor com lorde Brandon Waldow e esquecer a sede de vingança que a envenena dia a dia? Esta é a primeira história sobre os filhos dos protagonistas de Resgatando sua alma perdida.

1- Resgatando sua Alma Perdida

 

Lady Darline de Derby, uma superprotegida debutante na temporada social de Londres, está cheia de sonhos românticos e iludida por conhecer um cavalheiro que a converta em sua esposa. 

Durante sua apresentação, Alfred, marquês de Huntly, fica impactado por sua beleza e sua intenção é cortejá-la sem lhe importar a forte tutela a que está sujeita Darline. Com o que não conta é com as más intenções de sua ex-amante, que se empenha em separá-los... e cumpre seu objetivo. Isto provoca que a saúde de Darline se veja gravemente afetada. Anos depois Darline conhece um amigo de seu irmão, Alen, Duque de Malborough, quem a apaixona com seu encanto e ganha seu coração. Entretanto, o amor de Darline e Alen se vê afetado pela repentina aparição de Alfred
reclamando a sua prometida.

Série Saga Rosas Brancas
1- Resgatando sua alma perdida

Série Maridos Perversos


Uma herdeira americana casada por causa de seu dote…

Quando Victoria se apaixonou pelo Conde de Pembroke, ela nunca imaginou que ele se casasse, dormisse com ela e a abandonasse no campo. Depois que ele de repente volta, determinado a provar que é um homem mudado, ela não está disposta a perdoá-lo, confiar nele ou sucumbir aos seus beijos abrasadores.
Um futuro duque preso pela obrigação… Will dedicou sua vida a enfurecer seu pai repugnante, criando um escândalo após o outro. O dever força-o a voltar para a esposa da qual se ressente, mas não estava preparado para o desejo bruto que ela o faz sentir. Seduzi-la dificilmente será uma tarefa tediosa. Proteger seu coração, no entanto, é inteiramente outra questão. Um casamento que não era mais de conveniência... O que começa em decepção e em necessidade se transforma em uma atração que eles não podem negar.

  


Série Maridos Perversos
01- Seu Conde errante

 

 

 



Série Maridos Perversos

01- Seu Conde Errante

 


4 de fevereiro de 2021

Série Resgatada da Ruína

10- Um beijo de um patife
O último e empolgante romance de Elisa Braden para a série Resgatadas da Ruína é a história que os leitores têm pedido: a frágil, e ao mesmo tempo inquebrável, Hannah Gray embarca em uma caça a marido... Se ao menos Lady Wallingham não tivesse convidado um lobo para a festa. Tudo o que ela quer é uma vida comum Um passado cruel deixado para trás com uma simples vontade: normalidade. Damas normais cavalgam e dançam sem medo. Elas têm maridos seguros e normais para lhes darem beijos seguros e normais. Após anos curando-se, ela está pronta para encontrar o 'normal' para si mesma e a festa na casa de Lady Wallingham é o lugar perfeito para começar. Perfeito, exceto pelo cínico lobo em roupas de patife miserável cujo olhar esfomeado ameaça romper a sua armadura e trespassar seu coração frágil. Tudo o que ele quer é esquecê-la O agente de Bow Street, Jonas Hawthorn, jurou nunca mais ver a fria e altiva Srta. Gray novamente. Um ano atrás, ele quase morreu ao tentar protegê-la, apenas para ser dispensado como um criado de baixo nível. Mas em breve, ele teria terra e criados dele mesmo. Ele apenas precisava.

9- Um casamento concebido em escândalo

Procura-se: Uma condessa para o mais temido Lorde em Londres Com uma herança familiar contaminada por morte e loucura, Phineas Brand, o Conde de Holstoke, está enfrentando o diabo para garantir uma esposa apropriada – ou até mesmo uma inapropriada. A sociedade finge desmaiar ao vê-lo. As mães casamenteiras fogem para evitá-lo. Apenas uma mulher é ousada o suficiente para continuar se aproximado, e ela é um escândalo maior do que ele. *Cuidado: os modos descarados de uma dama podem levá-lo a ruína* Lady Eugenia Huxley sabe tudo sobre como encalhar no mercado de casamentos graças a um escândalo envolvendo um lacaio e muita bebida. Não importa. Ela perseguirá de boa vontade a chapelaria em vez do matrimônio. Mas quando o pretendente rejeitado de sua irmã retorna a Londres em busca de uma esposa, ela não consegue resistir a oferecer-lhe conselhos sobre como cortejar, mesmo com o frio, brilhante e honrado Lorde Holstoke lhe causando arrepios – arrepios quentes, da cabeça aos pés que são nada além de temerosos. * Perigo: Este encontro pode ser combustível Após uma série de mortes cruéis trazendo suspeita à porta de Holstoke, Eugenia arrisca tudo para ser seu álibi. A única solução racional é casar-se com a atrevida antes que ele arrume outro escândalo. Embora os perigos não acabem no altar. Um inimigo venenoso se aproxima cada vez mais, ameaçando a mulher que despertou a sua alma. Quão longe ele irá para protegê-la? Este pode ser o maior perigo de todos.

8- Nada alem de um Cavalheiro
Uma solteirona traça um plano (com um punhado de chantagem) A Senhorita Augusta Widmore não tem tempo para decoro. Ela deve forçar a sua irmã irresponsável a subir ao altar com toda pressa ou assisti-la enfrentar as consequências escandalosas. Mas com o canalha resistindo ao seu dever, precisa de um impulso. E apenas um homem pode fornecer isso. Um gigante retém todas as cartas (ou assim ele acha) Sebastian Reaver não tem tempo para mulheres presunçosas. Ele tem um clube para administrar. Então, quando uma perfeita moléstia invade o seu escritório, exigindo uma fortuna em promissórias e se recusa a partir até as entregue, sabe exatamente o que a fará correr de volta a Hampshire: o preço exato que uma solteirona do interior nunca concordaria em pagar. Inicia-se uma ardente batalha (com os dois lados jogando para valer) Normalmente, Augusta nunca concordaria em se tornar a amante do proprietário de um notório clube. Seja um rufião de classe baixa, o homem mais rico de Londres, o gigante mais intrigante e mal humorado que ela já encontrara ou todos três juntos. Atender o seu blefe aumentaria as apostas (e o calor), mas recuar significará a ruína de Augusta. Agora, Sebastian quer sua rendição total e, para isso, tem alguns truques na manga: beijos que roubam até a alma, honras inesperadas e persuasão eletrizante para a mulher que ele nem viu chegar.

7 - Confissões de um Lorde Perigoso

Nunca julgue um homem pela sua aparência... A sociedade conhece o afável conde de Dunston por seus coletes chamativos e sua sagacidade. Lady Maureen Huxley o conhece como Henry Thorpe, seu melhor amigo ― um amigo irresistivelmente beijável e estritamente platônico. O que significa que seus sonhos de casamento, maternidade, cozinheira em tempo parcial e felicidade doméstica em período integral devem ser realizados em outro lugar. Mas depois de três temporadas e um desfile de pretendentes inconstantes, as esperanças de Maureen estão diminuindo. Pior, ela suspeita que Henry seja o culpado. Nunca confie em um homem com muitos segredos... Os anos passados caçando o assassino de seu pai no nebuloso submundo de Londres transformaram Henry Thorpe em uma arma mortífera com um único objetivo ― capturar um assassino desumano. Nada importava mais até Maureen Huxley aparecer. Para segurança dela, ele deve mantê-la à distância. No entanto, não consegue resistir a puxá-la para perto, fazendo-a rir, sonhando em fazer coisas perversas com aquele corpo exuberante. Muito bem, talvez ele também tenha dissuadido alguns dos pretendentes dela. Mas o que é um pequeno engano entre amigos?

6- Doze Noites com seu Amante
Cortejar pode não ser seu forte… É verdade que, quando se trata de cortejo, a estratégia do marquês de Wallingham é um buquê de rosas. Charlie Bainbridge passou dois longos anos cortejando a mulher que ama, esperando pacientemente até que ficou meio louco. Agora, em uma festa de caça de inverno, ele tem uma última oportunidade de persuadi-la de que estão destinados a ficar juntos. E desta vez não deixará que as dúvidas sem sentido, sua mãe intrometida ou alguns contratempos e chapéus destroçados se interponham em seu caminho. E a paixão pode não ser o dela… Segura e cômoda dentro de sua ordenada e cuidadosamente planejada existência, Julia Willoughby nunca conheceu um desejo como aquele. Outros viam Charlie como o tipo tranquilo e manejável. Julia via a verdade: o filho daquele dragão tinha seu próprio fogo. Suficiente para abrasá-la com um toque, um olhar, um beijo. Pelo bem de sua felicidade, ela se nega a atá-lo em uma união sem filhos. Seu coração, entretanto, não se convence tão facilmente, porque quer ao Charlie. Mas um marquês deve fazer o que um marquês deve fazer… Indignado pela ideia de perdê-la para um qualquer, Charlie faz uma oferta final: Passar doze noites em sua cama, e se ela ainda puder negar que são perfeitos um para o outro, a deixará partir. Mas não sem antes tentar completamente a encantadora e teimosa Julia a trocar a sensatez previsível pelo doce caos do verdadeiro amor.

5- Quando uma garota se apaixona por um conde
A senhorita Viola Darling sempre consegue o que quer. Sempre. E o que mais quer é casar-se com James Kilbrenner, o conde de Tannenbrook. Ela se apaixonou pelo gigante, taciturno, brutalmente mal-humorado conde, e não terá outro. O problema? Ele não está interessado. Nem sequer um pouco. Mas Viola não pode se dar ao luxo de perder. Em seu coração só tem James. Se ao menos ele se dobrasse a um pouco de persuasão. É um conde como nenhum outro... James Kilbrenner sabe quão decidida pode ser a muito formosa Senhorita Darling: a mulher tola o encurralou em um jantar perfeitamente respeitável e destroçou sua gravata antes que pudesse escapar. Ele não tem nenhum desejo de casarse, menos ainda o desejo de ser açoitado, e certamente não beijará seus lábios desejáveis até que ambos estejam sem fôlego, sem importar quão tentado esteja. E só fará o correto... Lançado em seu caminho por uma marquesa intrometida, James se encontra sob o assédio sensual de uma pequena e coquete fada que põe tanto seu coração quanto sua promessa de permanecer solteiro em risco. E quando o escândalo se aproxima, aprende da maneira mais dura que um homem não pode resistir muito antes que a indomável Senhorita Darling consiga o que quer.

4- O Diabo é um Marques
Quando um libertino está além da redenção.
Benedict Chatham, o novo marquês de Rutherford, é um escândalo ambulante que sobrevive com pouco mais que engenho, uísque e destrezas perversas. Profundamente endividado até seu último xelim, deve casar-se com nada menos que uma fortuna absoluta, ou arriscar-se à ruína. Deve casar-se por dinheiro. Passemos à Srta. Charlotte Lancaster, uma herdeira deselegante mas com fortuna, que foi um desastre desajeitado e ruivo em suas cinco temporadas em Londres. Enquanto ela sonha sair da Inglaterra e ter uma vida de comerciante na América, seu pai planeja trocar seu dote por um título, e o de Marquesa de Rutherford servirá muito bem. Charlotte quer sua independência, não um marido, e certamente não um diabo de má reputação que a debilita e a faz cambalear com um só olhar abrasador. Mas ela é do tipo prático, e um ano com o diabo poderia comprar sua liberdade… desde que ela resista a seus encantos sedutores. Isso não deve ser um problema, porque ele possivelmente não iria querer alguém como ela, e o sentimento é mútuo. De verdade. Ele é. O amor cresce nos lugares mais inesperados. Quando seu pai exige um preço tão surpreendente pela mão de sua filha, um ano de fidelidade e sobriedade, Chatham deve trocar suas formas libertinas… ao menos temporariamente. E quando o faz, Charlotte começa a vê-lo sob uma nova luz, não como o escandaloso encantador com o qual 
se casou, mas sim como o marido que poderia adorar.



Série Resgatada da Ruína
0.5- Sempre tua Annabelle
1 - A Loucura do Visconde Atherbourne
2- A Verdade sobre Canalhas
3- Procurando Desesperadamente um Canalha
4- O Diabo é um Marques
5- Quando uma garota se apaixona por um conde
6. Doze Noites como seu Amante
7 - Confissões de um Lorde Perigoso

8- Nada alem de um Cavalheiro
9- Um casamento concebido em escândalo
10-Um beijo de um patife.

31 de janeiro de 2021

A Senhora sempre vence

É tudo diversão e jogos. 

Ninguém jamais chegou perto de tomar o lugar que Virginia Barrett tinha no coração de Simon Davenant. Quando criança, Ginny era a sua melhor amiga e camarada de armas. Quando jovem, ela se tornou sua namorada. Mas quando seus pais descobriram sua crescente afeição, eles ameaçaram reduzir Simon a sem um centavo se ele se casasse com ela. E quando Simon planejou uma fuga, Ginny recusou: Ela não iria se casar com um homem
pobre.
Jamais. Até que alguém perdeu uma fortuna. Nos sete anos
desde a última vez que se viram, Ginny foi casada e depois viúva. Simon construiu um império como financiador de ferrovias. Quando eles se reencontram, ainda há a mesma atração deliciosa e divertida entre eles. Mas apenas Simon sabe o quão tênue é sua segunda chance. Todo mundo acredita que Simon é rico. Na verdade, sua empresa foi adquirida por um concorrente hostil e ele está arruinado. Ele sabe por amarga experiência que Ginny não se casará com um homem pobre. E assim ele tem três dias até que as notícias se tornem públicas - três dias para seduzir, cortejar e casar com a mulher que ele não pode esquecer, ou arriscar perdê-la ... e desta vez para sempre.

Capítulo Um

Uma pequena vila em Kent, Primavera de 1845.
Simon Davenant tinha apenas três dias para cortejar e casar com uma mulher.
Não apenas uma mulher – A mulher.
No momento, as únicas coisas entre ele e o objeto de suas afeições eram um campo exuberante de tulipas coloridas, uma passagem de pedras brancas, e sete anos de silêncio mordaz de sua parte.
Fazia tanto tempo desde a última vez que ele pôs os pés em Chester-on-Woolsey - sete longos anos em que se enterrou em seu trabalho, tentando esquecer os cabelos e olhos escuros, a sensação de sua pele, o som da risada dela. Não deu certo. Tudo o que ele havia feito o lembrava desse lugar.
Simon caminhou até Folly de Barrett - a pequena propriedade que ela herdara de sua tia - há cinco quilômetros de distância da estação ferroviária. Ele desviou-se de seu destino apenas o tempo suficiente para deixar sua mala na pousada da cidade. O homem que lhe designara seu quarto era novo na área; ele nem piscou em reconhecimento quando Simon deu o seu nome. Naquela hora, apenas a padaria estava aberta. Ele parou para comer um pão, mas a velha sra. Brandell não se lembrava dele também. Não havia razão para que a pequena vila o recordasse. Ele apenas passou as férias de infância aqui.
Contudo, parecia injusto que ele pensasse tantas vezes em Chester-on-Woolsey, enquanto seus habitantes mal lhe davam um olhar para trás. Ainda assim, ele lembrou a si mesmo enquanto observava as tulipas ondularem diante dele, ele veio aqui por uma razão, e uma razão apenas. E ela estava na casa agora em frente dele. Os primeiros reflexos da luz do sol brilhavam nas janelas que precisavam ser lavadas. Folly de Barrett nunca fora mais do que uma cabana, mas parecia ainda menor do que ele se lembrava. Tinha sido grande o suficiente para uma mulher idosa e sua sobrinha. Ele tinha estado ali apenas duas vezes durante a
Páscoa, mas nas duas vezes ficou impressionado com o efeito das tulipas: dois acres cheios, florescendo em uma profusão de cor de rosa, dourados e vermelhos. Não se pensava que as tulipas tivessem um aroma - não como rosas ou gardênias. Mas, reunidas às dezenas de milhares, ele podia respirar o perfume delas: sutil, verde e novo, um cheiro que o fez lembrar de uma época em que ele não tinha mais do que esperança para o mundo. Ele enrolou em torno de seu coração como um punho, aquela nostalgia desperta. Mas, mesmo que ele tivesse a tendência de se entregar a memórias que se tornaram mais amargas do que doces, ele não tinha paciência. Ele certamente não tinha tempo.
Simon ajeitou a gravata, que era de linho mais fino e puro, e arrumou os punhos, que eram mantidos juntos nos pulsos por elos de ouro cravados com pedras de ônix. Para mais rico ou mais pobre, para melhor ou para pior, Virginia Barrett - não, caramba, Virginia Croswell - finalmente seria dele. Ele agarrou sua determinação, ignorou os fracos protestos de sua consciência irrelevante, e avançou.

29 de janeiro de 2021

Escândalo em Greystone Manor

Série Os Cavenhursts

O que poderia ser mais chocante do que a verdade? 

Jane Cavenhurst está feliz sozinha. Ela está mesmo. Mas quando o infeliz casamento de sua irmã com o belo Mark Wyndham se aproxima, as barreiras protetoras que cobrem seu segredo profundamente enterrado começam a se romper - pois Jane ama Mark há anos. Mas esse não é o único problema de Jane! 

Os Cavenhursts estão em dívida com o vilão Lord Bolsover, e ele está de olho nela! Quando Mark percebe seus verdadeiros sentimentos, ele sabe que não deveria ser ele a resgatar Jane, mas ele não pode se conter. Na verdade, ele lutará com Bolsover, a alta sociedade e o escândalo para ganhar o que seu coração mais deseja! 

Capítulo Um 

Abril de 1817
— Fique quieta, Issie — disse Jane. — Como posso prender esta bainha se você continuar pulando de um pé para o outro? E pare de se admirar no espelho. Todos sabem que noiva linda você será. Levou semanas de indecisão quanto à cor e estilo antes que a seda pesada fosse comprada e, em seguida, eles não puderam decidir sobre quem iria fazê-lo.
— Você faz Isabel — havia dito à irmã. — Você é uma costureira tão boa quanto qualquermantenedora de Londres e, muito melhor do que a pobre senhorita Smith. Jane riu do elogio. — Muito anáguas para as mulheres, além de consertar roupas rasgadas e consertar a roupa da casa. Jane estava fazendo o máximo possível com casamento para economizar um pouco nas despesas. Sua mãe estava decidida que seria o casamento do ano, apesar dos pedidos de Sir Edward, eles nãodeveriam ser extravagantes demais. Jane talvez fosse à única da família a notá-lo, mas isso não
Tinha a cintura alta da moda, mangas compridas soltas na parte superior, mas apertadas do cotovelo para baixo, um decote em forma de coração e uma saia esvoaçante, enfeitada com rendas e bordada com rosas brancas e rosa. Tudo o que restava a fazer agora era costurar a bainha e adicionar a decoração ao decote e mangas. Metros de fita e renda, entremeados de minúsculas contas coloridas. Costuradas à mão com minúsculos pontos invisíveis, eles levariam algum tempo para fazer. Ela não invejou o tempo, nem a irmã, a felicidade, nem mesmo com o próprio sacrifício. Isabel se casaria com Mark Wyndham, herdeiro de Lord Wyndham, que morava com seus pais a menos de cinco quilômetros de Broadacres. As famílias se conheciam há anos e frequentemente se visitavam, então as meninas e o irmão cresceram muito próximos e não havia formalidade entre eles. Um casamento entre Mark e Isabel era discutido há anos como se fosse uma conclusão precipitada, embora Mark não tivesse proposto formalmente até voltar da Guerra Peninsular, onde se distinguira como assessor de Sir Arthur Wellesley, agora o duque de Wellington.
O noivado agradou as duas famílias e aliviou os pais da menina, que não queriam que Isabel seguisse o caminho de Jane e se tornasse uma solteirona. Ter duas filhas solteiras não era bom para sua autoestima e nem, para seu bolso. Jane talvez fosse à única da família, além de seu pai, que percebeu que eles estavam vivendo além de suas possibilidades, tentando manter um status e um estilo de vida não proporcionais à renda. A propriedade estava destruída, as cercas precisavam ser consertadas, as valas precisavam ser limpas, algumas das casas precisavam de reparos e a própria casa precisava urgentemente de reforma. Greystone Manor era uma adorável casa antiga, solidamente construída para resistir à devastação do vento leste que soprava do oceano alemão, mas isso não impedia que ela fosse arriscada. Sua grande sala de estar era gelada no inverno e fresca no verão; suas enormes cozinhas e laticínios, com piso de pedra, eram duros para os pés dos criados. A família costumava usar a sala menor como sala de estar e a sala de café da manhã como sala de jantar, exceto em ocasiões formais. Hoje as meninas estavam trabalhando no quarto de Isabel, cuja janela dava para a entrada da frente. Lá fora, o sol da primavera era quente e convidativo, e todos esperavam que este fosse o ano em que houvesse uma boa colheita, o que compensaria o terrível fracasso do ano anterior.

— Pronto, está pronto — disse Jane. — Você pode tirá-lo agora e eu pedirei que a senhorita Smith costure a bainha enquanto recolho os babados para a saia. Ela ajudou a tirar Isabel do vestido e cuidadosamente o dobrou para a costureira, quando ela chegasse naquela tarde. Isabel a abraçou.
— Você é tão boa, Jane, gostaria de ser mais como você. Você é esperta em tudo o que faz,costurando, cozinhando, administrando os criados e também com as crianças da aldeia. 
Vocêdeveria se casar também e ter seus próprios filhos.
— Nem todos podemos ser esposas, Issie.


Série Os Cavenhursts
1- Escândalo em Greystone Manor

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...